Dia de Enxaqueca

Dia de enxaqueca

Não há luz, não há cor nem calor

Apenas os ventos cinzas do ventilador

Dia de enxaqueca

Cabeça em pavor

Voz rarefeita… Suspiro… Ar-dor

Dia de enxaqueca

Gigantes pisam as têmporas esmagando o tempo

E até olhos se calam à espera de alento

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*