Da Pedra Espero

Texto postado originalmente no blog Sociedade Movimento em junho de 2012.

Debaixo do azul quente a queimar, espero verde


Ao ver as árvores amarelas de luz, espero terra


E das construções marrons do tempo, espero sombra


Das andanças de suor e belezas, espero altura


Da história na pedra marcada, espero descobertas de presente


E do sertão margeado por águas, espero vento, movimento, contrastes de conhecimento.

 

Canion do São Francisco, Angiquinho, Delmiro Gouveia, Alagoas. Foto: acervo pessoal

Canion do São Francisco, Angiquinho, Delmiro Gouveia, AL Foto: acervo pessoal

Em visita à Usina Angiquinho, da Chesf em Delmiro Gouveia, tive a oportunidade de conhecer uma das mais belas paisagens de Alagoas. Nos canions do São Francisco vi a união entre a impressionante formação natural e a intervenção do homem, união de monumentalidades. Antes da visita, os integrantes do grupo precisaram externar as suas expectativas com relação ao lugar que estavam prestes a conhecer. Para mim, a forma encontrada foi através da poesia acima transcrita.

A experiência revelou-se, claro, muito mais surpreendente, mas o exercício de criação anterior foi uma preparação muito inspiradora para o que estava por vir. Os versos ecoavam do ambiente para mim e progressivamente, ao longo do caminho, foram sendo complementados por novas frações de poesia.

Angiquinho é um incrível patrimônio cultural, que merece por todos ser visitado!

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*